Notícias
09
NOV
  Estados da Amazônia Legal podem ser compensados por áreas de proteção e reservas indígenas

A Comissão de Meio Ambiente (CMA) aprovou projeto de lei (PLS 375/2017- Complementar), do senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que cria uma compensação aos estados da Amazônia Legal que abrigam unidades de conservação da natureza ou terras indígenas demarcadas em seus territórios. Pelo texto, ficam reservados 2% dos recursos do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE) a serem distribuídos de forma suplementar a esses estados. Os outros 98% serão divididos entre todos os estados e o DF.

“Este projeto caminha no sentido de socializar os custos da conservação da Amazônia, cuja proteção é demandada pela grande maioria da sociedade brasileira”, resumiu Gurgacz ao justificar a iniciativa.

Pelo PLS 375/2017 – Complementar, os 2% do FPE serão distribuídos entre os estados da Amazônia Legal de acordo com um coeficiente individual de participação. Cada coeficiente será definido segundo a proporção da área ocupada por unidades de conservação da natureza e terras indígenas demarcadas em relação à área total de cada estado.

Esses coeficientes deverão oscilar entre 1 e 6, determinados em função da seguinte gradação: 1 inteiro – ocupação de até 10% da área total do estado; 2 inteiros – ocupação acima de 10% até 20% da área total do estado; 3 inteiros – ocupação acima de 20% até 30% da área total do estado; 4 inteiros – ocupação acima de 30% até 40% da área total do estado; 5 inteiros – ocupação acima de 40% até 50% da área total do estado; 6 inteiros – ocupação acima de 50% da área total do estado.

Na avaliação do relator, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), os estados da Amazônia Legal devem ser compensados pelos custos da conservação da floresta amazônica e essa conta deve ser mesmo dividida com os demais estados da Federação.

“A proposição distribui os custos dessa política ambiental a todo o Brasil, pois, da forma que ocorre atualmente, os estados da Amazônia Legal têm o seu desenvolvimento econômico comprometido, o que dificulta o acesso de boa parte da população a melhores condições de vida e de renda. Não se trata de um privilégio. Trata-se de reconhecimento da importância da Amazônia e o ônus arcado pelos estados alcançados por essa territorialidade verde”, observou.

O PLS 375/2017 – Complementar segue para análise da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

« VOLTAR

 
 
 
 
mais noticias
08
DEZ
  Ji-Paraná terá curso de Medicina
07
DEZ
  Projeto de Acir que impede suspensão de obras públicas é aprovado
07
DEZ
  Projeto do senador Assis Gurgacz inclui assistência técnica no crédito rural
07
DEZ
  Plenário examinará projeto sobre calúnia contra candidato a cargo político
06
DEZ
  Acir Gurgacz saúda emenda constitucional que beneficia servidores de ex-territórios
05
DEZ
  Avança projeto que aperfeiçoa aproveitamento de potenciais energéticos
30
NOV
  Acir defende realização de balanço anual do presidente da República sobre educação
29
NOV
  Acir Gurgacz defende escola pública em tempo integral
28
NOV
  Comissão vai verificar obras de manutenção e estado da BR-319
22
NOV
  Acir destaca aniversário do município de Ji-Paraná