Notícias
10
AGO
  Gurgacz quer ampliar debate sobre ICMS do querosene

Senador Acir Gurgacz disse que mudanças na alíquota do ICMS precisam respeitar as diferenças regionais e representar redução na tarifa do transporte aéreo

Com o objetivo de promover mais debates e negociações, o Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (9) o envio para a Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) do projeto de resolução que fixa alíquota máxima para cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide em operações internas com querosene de aviação.

O PRS 55/2015 já estava pronto para votação em Plenário, porém os senadores Acir Gurgacz (PDT-RO) e Omar Aziz (PSD-AM) pediram que a proposta seja discutida por mais duas semanas pela CI, com participação da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR), podendo voltar para votação no Plenário em 15 dias. Os demais senadores concordaram e aprovaram requerimento nesse sentido de autoria de Gurgacz.

O senador Acir Gurgacz argumentou que as mudanças na alíquota do ICMS precisam respeitar as diferenças regionais e representar uma redução real na tarifa do transporte aéreo.

Gurgacz citou que em Rondônia, o governo do Estado baixou o ICMS do querosene para 4% e as companhias aéreas não cumpriram o acordo de manter voos regulares das cidades do interior para a Capital, nem de operar com jatos no aeroporto de Ji-Paraná.

O senador lembrou que a liberação da cobrança sobre o despacho de bagagens era para representar a redução da tarifa e isso não aconteceu. “A redução do ICMS tem que representar uma redução real do preço da tarifa e os acordos precisam ser cumpridos”, frisou Gurgacz.

O autor do projeto, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), voltou a defender sua aprovação, por entender que a unificação da alíquota do ICMS vai baratear custos das empresas aéreas, que poderão aumentar a oferta de voos e diminuir o preço das passagens aéreas. Para o senador, isso vai beneficiar principalmente estados das Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

A aprovação também foi defendida pelo relator, o senador Jorge Viana (PT-AC), que voltou a afirmar que os brasileiros pagam as passagens aéreas mais caras do mundo.

Entretanto, Gurgacz e Omar alegaram que não há qualquer compromisso formal de que as companhias aéreas realmente vão criar e manter mais voos ou baixar os preços das passagens. Eles afirmaram que instrumentos parecidos foram usados em Rondônia e no Amazonas, porém as contrapartidas das companhias aéreas não foram cumpridas.

“Tive essa experiência como governador, mas não tivemos bons resultados. Vários estados perderão arrecadação e não há garantia de aumento de voos. Quero ver um compromisso assinado pelas companhias aéreas”, afirmou Omar Aziz.

« VOLTAR

 
 
 
 
mais noticias
18
AGO
  Gurgacz propõe condições para facilitar pagamento do Funrural retroativo
16
AGO
  Acir Gurgacz comemora regularização fundiária na Amazônia Legal
15
AGO
  Acir pede urgência na dragagem do rio Madeira
14
AGO
  Acir destaca força do Cone Sul
02
AGO
  CDR aprova projeto que amplia isenção de IPI a produtos da Amazônia Ocidental
15
JUL
  PDT reúne forças para eleições
07
JUL
  Comissão de Infraestrutura aprova emendas à LDO de 2018
03
JUL
  Empréstimos estão mais caros, adverte Acir Gurgacz
27
JUN
  Ministro libera recursos para elaboração do projeto de saneamento de Ji-Paraná
22
JUN
  Justiça libera obras de manutenção na BR-319