Notícias
20
JUN
  Ibama e Dnit contestam paralisação da manutenção da BR-319

Os representantes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) demonstraram surpresa e contestaram a decisão liminar do juiz da Sétima Vara Federal do Amazonas que suspendeu as obras de manutenção da BR-319, que liga Porto Velho a Manaus.

De acordo com o diretor executivo do Dnit, Halpher Luiggi Rosa, a decisão da Justiça e a ação do Ministério Público Federal (MPF) basearam-se em documentos, vistorias e licenciamento de 2014 e 2015, já superados desde o ano passado pelo acordo do órgão com o Ibama.

“Surpreende ao DNIT essa decisão judicial, pois o que estamos fazendo na BR-319 é exatamente o que está no licenciamento ambiental e no Termo de Cooperação. Estamos simplesmente dando andamento aos serviços de manutenção, sem fazer nada fora desse acordo”, destacou Luiggi.

O diretor de licenciamento do Ibama, Jônatas Souza da Trindade, também estranhou a decisão e disse que o órgão entrou com embargo de declaração para entender melhor a sentença judicial. “Todos os procedimentos adotados pelo Ibama estão regulares, acompanhamos as obras e foram observadas apenas algumas inconformidades que podem ser tratadas no âmbito do próprio licenciamento, com a devida sanção, sem a necessidade de suspensão ou cancelamento da licença ou das obras, simplesmente ajustes no procedimento”, detalhou Trindade.

Para o senador Acir, as exposições dos responsáveis técnicos do Dnit e do Ibama deixaram bem claro que não havia necessidade de paralisação das obras, pois ambos negaram haver qualquer tipo de irregularidade no processo de licenciamento ambiental e nas obras de manutenção da rodovia.

“É um absurdo que essa decisão não tenha base real e nem legal, sendo que medida semelhante já tinha sido derrubada em instância superior”, disparou Acir. O senador também criticou a morosidade do governo federal para tocar a obra. “Levamos 12 anos para ter um acordo de cooperação entre o Dnit e o Ibama para a manutenção da BR-319 e agora vem o Ministério Público Federal e uma instância do judiciário, e se arrogam no direito autoritário de paralisar a obra sem sequer consultar estes dois órgãos. Não podemos aceitar calados essa decisão”, frisou o senador Acir Gurgacz.

O diretor executivo do Dnit, Halpher Luiggi, disse que não há fracionamento do licenciamento da obra, como alega o MPF ao solicitar o embargo da obra. “O Ibama concedeu uma Licença Ambiental Única, a chamada LAU, que não permite fracionamento, pois ela é única”, reforçou. O Dnit já entrou com recurso em instância superior da Justiça Federal solicitando o cancelamento da tutela antecipada para derrubar a liminar da Sétima Vara.

“Estamos esperançosos de que a instância superior da Justiça Federal se manifestará de forma favorável para que possamos retomar os serviços de manutenção, pois estamos no momento certo para trabalhar na rodovia que é a época da seca na Amazônia”, salientou Luiggi.

Para o diretor presidente da Federação Empresarial do Amazonas (FEAM), Saleh Handed, o modelo econômico da Zona Franca de Manaus reduz pressão sobre a floresta, mas que é um modelo limitado e que não oferece mais perspectivas de desenvolvimento sustentável se não houver uma integração de Manaus com os demais estados da Região Norte. “A reabertura e pavimentação da BR-319 vai promover essa integração e abrir novas perspectivas para a economia regional”, disse.

Na mesma linha, o presidente da Federação da Indústria do Estado de Rondônia (Fiero), Marcelo Thomé, destacou a importância da rodovia para a agricultura familiar, para a piscicultura e a pesca de Rondônia, que tem um custo muito alto para abastecer o mercado manauara. “A plena recuperação da BR-319 é a obra de maior importância para economia de Rondônia, uma vez que vai nos permitir o acesso rápido e mais barato a um mercado de 2 milhões de consumidores e abrir a fronteira de exportação através da Venezuela e do Caribe”, frisou Thomé.

Senadores terão reunião com MP para tratar da BR-319

Diante da ausência de representantes do Ministério Público Federal e da Sétima Vara da Justiça Federal do Amazonas na audiência pública da Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado que discutiu uma solução para a paralisação das obras de manutenção na BR-319, os senadores decidiram agendar uma reunião para esta sexta-feira com os dois órgãos em Manaus.

O requerimento para a realização da reunião em Manaus foi da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). O objetivo da reunião será apurar as razões que motivaram a ação civil pública e a decisão liminar que estão impedindo a conclusão das obras de manutenção da BR-319.

« VOLTAR

 
 
 
 
mais noticias
18
AGO
  Gurgacz propõe condições para facilitar pagamento do Funrural retroativo
16
AGO
  Acir Gurgacz comemora regularização fundiária na Amazônia Legal
15
AGO
  Acir pede urgência na dragagem do rio Madeira
14
AGO
  Acir destaca força do Cone Sul
10
AGO
  Gurgacz quer ampliar debate sobre ICMS do querosene
02
AGO
  CDR aprova projeto que amplia isenção de IPI a produtos da Amazônia Ocidental
15
JUL
  PDT reúne forças para eleições
07
JUL
  Comissão de Infraestrutura aprova emendas à LDO de 2018
03
JUL
  Empréstimos estão mais caros, adverte Acir Gurgacz
27
JUN
  Ministro libera recursos para elaboração do projeto de saneamento de Ji-Paraná