Artigos


 
 
Escola abandonada é reflexo do compromisso do governo com a educação
10
ABR
 
Recebi com tristeza e muita indignação a notícia do abandono e sucateamento da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Professora Lydia Johnson de Macedo, inaugurada em 25 de junho de 2015. Ainda não sei ao certo os motivos do abandono desta Escola Padrão MEC para ensino de tempo integral, que ajudei viabilizar através de gestão junto ao Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE). Só sei dizer que é um absurdo o governo do Estado abandonar uma escola nova e equipada e deixá-la à mercê da ação de vândalos, para ser depredada, sucateada, enquanto milhares de estudantes e de famílias clamam por uma educação de qualidade e de ensino em tempo integral. Esta era a proposta desta escola: a de ser modelo e referência na educação de tempo integral. Infelizmente, constatamos que esse não é um compromisso do atual governo do Estado.

O mesmo também ocorre com a construção de creches pelo governo municipal da Capital. No ano passado, consegui viabilizar recursos para a construção de 17 creches em Porto Velho. No entanto, o governo municipal apresentou as propostas no limite do prazo e, mesmo assim, conseguimos manter os recursos para 16 creches. Evidente que o custo para a manutenção de 16 creches é alto, mas o benefício que elas trarão para a sociedade é incalculável. O mesmo podemos dizer com relação a escola Padrão MEC para educação de tempo integral. O custo para sua manutenção é alto e talvez seja esse o motivo do abandono pelo governo do Estado. Mas nada justifica cortar recursos da educação e manter privilégios para servidores comissionados ou estruturas tecnocráticas que poderiam ser reduzidas. Isso é claro, se a educação fosse prioridade de desse governo, o que, tudo indica, não é.

Situação semelhante ocorre com a saúde. Conseguimos viabilizar R$ 32 milhões para a construção do Hospital Regional de Ariquemes, mas, infelizmente, as obras estão paradas por conta da incapacidade técnica e falta de vontade política desse governo. Será que a saúde também não é uma prioridade.

Estamos cobrando respostas do governo com relação à essas obras, pois não podemos admitir o desperdício de dinheiro público enquanto milhares de pessoas precisam de educação e de saúde com qualidade.
 
 
 
mais artigos
19
JUN
  Embargo da BR-319 é um ato de irresponsabilidade
12
JUN
  Triste realidade no saneamento de Porto Velho
04
JUN
  Regularização fundiária avança
23
MAI
  Antecipar as eleições é a melhor saída
16
MAI
  Educação para o desenvolvimento
08
MAI
  Nada mudou na política econômica: bancos tem lucro astronômicos e setor produtivo padece
24
ABR
  FIM DO FORO PRIVILEGIADO
16
ABR
  Páscoa: tempo de renovação
01
ABR
  Mercado da carne precisa ser recuperado
17
MAR
  Retomada do crescimento requer pragmatismo